Ler é magia

Outro dia escutei que o brasileiro não tem o hábito da leitura, não sei se é verdade porque nunca analisei estatisticamente falando. Mas não gostei de ouvir isso. Aqui em casa a leitura sempre foi muito intensa. Minha mãe só não tem uma biblioteca porque não conseguiu fazer uma. Por falta de espaço mesmo, pois livros tem até para fazer duas rs.

Graças a ela eu e minha irmã desde muito pequeninas ganhamos esse hábito de ler. Sempre gostamos! Minhas tias também ajudaram bastante com os incentivos. Até meu pai, que não é muito fã de livros em si, está sempre lendo um jornal ou matérias sobre aeronáutica (ele adora, se brincar sabe mais de avião que os pilotos rs).

Da parte dos meus amigos, eu não diria que a maioria tem o hábito, mas pelo menos metade gosta. Então acho que por tudo isso fica difícil para mim aceitar que os brasileiros não têm o hábito da leitura, no meu círculo de brasileiros a realidade é outra. E eu acho muito triste pensar que não é assim para todo mundo.

Quando eu era criança, tinha a feira do livro na minha escola e eu era fissurada naquilo. Era um evento rs. Minha mãe, se brincar, ficava mais empolgada que a gente.

A minha primeira coleção foi das Witch, eu era apaixonada por elas na infância ♡

Ontem tivemos que ir ao shopping buscar os óculos da minha mãe e tinha um espaço com estandes de livros infantis. Nossa, foi o momento nostalgia do dia, porque ficou muito parecido com a nossa antiga feira do livro. Foi muito legal reviver aquilo por alguns momentos.

Mas para minha surpresa, logo em seguida passamos em frente de onde costumava ser a livraria Saraiva e ela estava fechada. Há um tempo atrás também havia sido fechada a livraria Cultura. Não sei se está acontecendo em muitos lugares ou foi coincidência de ter sido justo as duas próximas a mim. Mas fiquei preocupada, será que realmente estamos jogando fora nosso hábito de leitura?

Não sei se existe alguma explicação para esses fechamentos, principalmente, devido aos atuais acontecimentos. Confesso que nem cheguei a pesquisar nada. Vim direto desabafar por aqui depois do ocorrido, porque fiquei chateada. A leitura é tão importante, além de todos os benefícios culturais, de aprendizado, de conhecimento, de abrir nossas mentes, é também, na minha opinião, uma maneira de deixar nosso mundo mais mágico e mais feliz.

Espero que consigamos reverter esse processo e promover a leitura aos nossos próximos. Daqui vou tentar incentivar quem eu puder, para que não percamos esse lado colorido da vida. Espero que vocês, de onde quer que estejam, façam o mesmo. Afinal, seria muito triste perder essa cultura e abraçar o estereótipo de que brasileiros não têm o hábito da leitura :/

Fotos autorais – Um pedacinho da nossa coleção aqui em casa.

Leia também

Sobre conquistar o que já foi conquistado

Essa semana que passou foi uma semana um tanto complicada, não foi? Ou será que fui eu que me deixei levar pelas loucuras que têm acontecido?

Não sei, mas me pego divagando às vezes e saio atrás de conversas que me tragam de volta para o chão e para a sanidade. Sei que não falta gente boa no mundo, mas tem dias que precisamos delas mais de perto.

Eu não acho que vivo em uma bolha, mas vai ver que vivo. Pois ainda me choco quando vejo certas notícias. Estamos em pleno 2020 e o ser humano continua repetindo os mesmos erros absurdos que contradizem os mais básicos direitos humanos. Como isso acontece? O “excesso” de realidade jogado nas nossas caras todos os dias deveriam nos fazer melhores, não piores, certo? Será que é a falta de esperança que levam essas pessoas a continuarem a seguir por esses caminhos? Será que é algum tipo de problema mesmo?

Eu sinceramente não entendo. Tantos livros e aulas de história, tanta tecnologia e informação. Como podemos não estar aprendendo? Como podemos não evoluir? Como podemos continuar repetindo incansavelmente os mesmos erros?

Outro dia, assistindo a série Anne with an E (que aliás, recomendo, é linda!), fiquei tão feliz com o pensamento daquela garota, tão jovem e tão a frente de seu tempo não aceitando as limitações e as podas feitas pela sociedade da época e indo atrás de seus direitos, os conquistando aos poucos. Fazendo pequenas diferenças em seu universo e a sensação de progresso enchendo nossos corações.

Mas aí eu parei para pensar, a série se passa no final da década de 1890. Hoje, em 2020, temos que gritar pelos mesmos motivos que aquela garotinha. Não estou dizendo que não conquistamos nada de lá para cá. Conquistamos muito!!! Mas parece que temos que ficar repetindo todo dia, porque sempre tem alguém que esquece e vêm cheios de ideais totalmente retrógrados. E se deixarmos, nos levam para baixo de novo, nos fazem voltar à estaca zero.

Não nos deixaremos levar nunca e continuaremos gritando até o fim, pois o bem, o amor, o certo (ou como você preferir chamar), sempre valerá o esforço. Eu só vim aqui desabafar, porque eu preciso confessar que, às vezes, é cansativo, sabe? Às vezes, só por um dia ou dois, eu queria que as pessoas lembrassem sozinhas e nós não precisássemos gritar novamente. Eu queria ir para o próximo passo, sem ter que ficar repetindo o anterior. Ir para frente somente. Para mim é tão óbvio, é tão fácil! Por que será que tem tanta gente tentando dificultar nossos caminhos, não é? Eu fico tão feliz quando posso facilitar a vida de alguém de alguma maneira… Será que sou muito sonhadora?

Eu espero que você esteja junto comigo nessa luta e te desejo muita paz no coração sempre, mas principalmente para esses dias mais longos e mais tristes que o normal. De qualquer maneira, já dizia Renato Russo, “espera que o sol já vem” e então, com ele, nossa energia renovada para começar tudo de novo!

Leia também

Novos dias virão

A quarentena tem deixado vocês mais sensíveis? Eu sempre fui uma pessoa sensível, mas esses últimos dias estou me sentindo presa em uma tpm contínua rs. Sempre fui aquela que abraça, sabe? Não sei nem descrever como tenho sentido falta de abraçar as pessoas queridas. E quem dera esse fosse o único ponto, a verdade é que toda a maldade e ignorância que temos visto circulando por todo o mundo nos deixa com uma sensação de impotência tão grande que não sei bem como poderia ajudar…

Não tem sido fácil amigos, mas acredito que logo estaremos nos referindo sobre esse período desastroso no passado. Nos reunindo nas nossas adoradas mesas de bar, tomando um drink com os amigos (ou onde mais você goste de ir). Tenho trabalhado muito a minha paciência há algum tempo e agora mais do que nunca, mas não posso negar que estou ansiosa para que esses dias cheguem logo.

Sigo acreditando, fazendo minha parte e mandando muita energia positiva, que é o que posso fazer por aqueles que não tenho como ajudar. Muita saúde e paciência para todos nós 😘

Leia também

Aquelas coisas bobas que também importam

Hoje seria minha formatura da faculdade…

Há onze anos atrás, quando terminei o nono ano do fundamental houve algum problema na escola em que eu estudava, já não me lembro o que aconteceu, só lembro que por algum motivo não haveria formatura naquele ano. Todo ano tinha formatura de nono ano, mas em 2009 não teve. Lembro de ficar um pouco chateada, mas tudo bem, não era realmente uma formatura, apenas uma cerimônia de passagem do fundamental para o ensino médio.

Então chegou 2012, o meu terceiro ano do ensino médio, e adivinha? Também não haveria formatura, dessa vez fiquei realmente chateada. O que acontecia? Eu nem estudava mais no mesmo colégio do ensino fundamental… Talvez algum complô dos colégios da cidade contra os meus desejos de vestir uma beca e receber um canudo? Talvez! Ou talvez eu esteja sendo um pouco dramática. Os responsáveis? Alguns meninos imaturos que resolveram explodir bombinha no banheiro masculino no último dia de aula. Consequência: cancelamento da formatura. Nunca gostei dessas punições que castigam mais quem não fez nada que qualquer outra coisa. Eu achava muito azar, qual a chance de duas escolas cancelarem os eventos de formatura exclusivamente no meu ano? Minha irmã se formou dois anos depois na mesma escola sem nenhum problema.

Pensei comigo mesma que era melhor assim, pelo menos não ia gastar dinheiro, mas prometi a mim mesma que quando eu fizesse uma faculdade eu iria me formar “direito”, com um vestido belíssimo e todas as frescuras que exigem a ocasião.

Passaram-se oito anos desde que fiz essa promessa a mim mesma. Ano passado (2019) foi meu último ano de engenharia química. Cinco anos suados, porém bem feitos, de faculdade. Logo no segundo ano da faculdade eu havia me decidido que assim que finalizasse minha graduação eu iria para fora do país. Queria conhecer gente, conhecer o mundo, novas culturas, queria mudanças. Decidi fazer isso ao finalizar a faculdade, porque me conhecendo bem, sabia que existia um grande de risco de querer ficar fora mais tempo do que o planejado. Então não seria boa ideia largar a graduação no meio.

Assim que o terceiro ano começou foi anunciado o evento de formatura e abertura para as adesões. Neste momento já fazia um ano que eu estava planejando meu intercâmbio. Como havia acabado de começar a trabalhar na época, eu não tinha muito dinheiro e queria juntar o máximo que fosse possível. Então, com certo pesar no coração, decidi que não iria aderir a formatura. Eu ansiava demais pela minha viagem e faria o que fosse necessário para realizá-la. No entanto, ainda tinha total intenção de participar da festa como convidada para poder celebrar a conquista com as minhas queridas amigas.

No finalzinho de 2019 foi anunciado pela comissão de formatura da faculdade que a festa seria realizada somente em maio de 2020. Não acreditei, eu já tinha tudo planejado, geralmente as formaturas ocorrem entre fevereiro e março, portanto viajaria entre final de abril e começo de maio. Por sorte, ainda não tinha fechado o intercâmbio e decidi analisar se seria viável esperar para até depois da formatura.

Eu não sei se Deus ajudou ou se aquela frase de que quando a gente quer muito alguma coisa acaba dando certo é real, eu só sei que eu acabei conseguindo fechar o contrato que eu queria para um programa cultural na Alemanha com início em 01/06/20. Sensacional, pensei. Vou conseguir fazer tudo o que queria, não poderia ser melhor.

Na semana seguinte a chegada dos meus papéis do intercâmbio, já estava tudo certo e organizado, todos os documentos em mãos, tudo pronto, fui organizar minha formatura. Comprei um vestido maravilhoso, saí com algumas amigas e fizemos mil planos. 2020 mal havia começado e já estava sendo sensacional.

Pouco tempo depois, CORONA VÍRUS chega ao Brasil. Eu estava acompanhando as notícias, sabia o que estava acontecendo na China, logo começou na Itália também. Mas, sinceramente? Eu não imaginei, nem nos meus piores pesadelos, que chegaria as atuais proporções. Talvez eu tenha sido ingênua ou até mesmo estúpida de sair comprando vestido e fechando contrato no exterior? Talvez! Mas eu nunca tinha visto algo assim na vida, eu nunca imaginei que as pessoas ficariam trancadas em suas casas, todo tipo de evento seria cancelado, não poderíamos nos tocar, todas as fronteiras entre os países ficariam bloqueadas. Nunca!

E agora eu estou aqui com uma mistura absurda de sentimentos. Eu estou triste, porque milhares de pessoas estão morrendo. Eu estou com medo, porque eu não sei o que vai acontecer com o mundo e com as pessoas que eu amo. Eu estou revoltada, porque minha formatura foi reagendada para 2021 (mas sei que é o melhor a se fazer). Eu estou ansiosa, porque não sei quando vou poder reorganizar meus documentos e dar entrada no novo visto para meu sonhado intercâmbio. Eu estou muito feliz e agradecida, porque posso ficar em casa em segurança com a minha família, enquanto tantos outros não têm tamanho privilégio. Neste exato momento eu estou rindo, porque é o que tem para hoje e uma coisa que eu aprendi nessa vida é que não adianta sofrer por aquilo que você não tem como controlar.

Eu não sei como vai ser o desenrolar dessa história, eu não sei se eu vou conseguir participar da minha formatura e nem quando conseguirei fazer o meu intercâmbio. Acho engraçado como nossos sonhos e desejos mudam de proporção conforme o tempo passa e a vida nos impõe situações inesperadas.

Eu espero de coração conseguir ir na minha festa de formatura antes de sair do país. Mas, se não der, tudo bem. Hoje a formatura ficou em segundo plano, o que importa mesmo é que sou engenheira, com festa ou sem festa. O intercâmbio sai quando for seguro sair. Hoje o meu desejo em primeiro plano é que consigamos sair dessa juntos, saudáveis e melhores. Pessoas melhores. E assim que isso acontecer volto aqui para contar se consegui cumprir ou não a promessa que a Gabriela de 17 anos fez em uma época em que uma festa era o grande problema da vida dela rs 😉

Leia também

Uma pitada de açúcar em tempos de quarentena

Provavelmente ninguém havia imaginado que um dia iríamos passar por essas desventuras dignas de filmes de Hollywood, nunca imaginamos que estaríamos em um desses capítulos de história que estudamos quando pequenos. Eu, pelo menos, não imaginava. Parece surreal o que estamos vivendo. Eu diria que é muito fácil se desesperar em um primeiro momento. Mas, depois de muito refletir, eu cheguei a conclusão de que todo esse desastre, na verdade, veio para nos conceder uma segunda chance.

Entenda, não estou entrando no mérito científico da questão. Mas se pararmos para pensar, não ouvimos a toda hora aquelas frases bem clichês como “só damos valor depois que perdemos” ou “só nós cuidamos quando já não somos mais saudáveis” e coisas do gênero? Pois muito bem, eu acredito que este momento de isolamento que nos foi imposto vai servir justamente para reavaliarmos essas questões sem, necessariamente, passarmos por elas.

Se você quiser olhar pelo lado negativo da história eu te garanto que opção não vai faltar, mas recomendo olhar para o outro lado. Agora é a hora de relembrarmos a todos os que amamos que estamos olhando por eles. Seja qual for sua religião ou crença, mande todas as suas energias positivas. A energia que a gente emana contagia e, por favor, não faça isso em silêncio. Mande mensagem para seus familiares, ligue para seus amigos, faça planos. Nunca tivemos tanto tempo para colocar os planos no papel como agora.

Eu sei que não é fácil, mas precisamos dessa pitada de açúcar em meio a tanto caos. E, se puder, não se limite aos conhecidos não, emane todas as vibrações possíveis em direção aos quatro cantos do mundo. Tem muita gente precisando. Não deixe as pessoas ao seu redor esquecerem o quanto elas são queridas.

Em meio a tempestade, não se deixe esquecer que o amor ainda está aqui e que é só através dele que conseguiremos persistir. Infelizmente os abraços estão proibidos, mas amar vai muito além de contato físico. Seja amor, mais amor, até o fim.

Leia também