Aqui dentro

Nem todos os dias são de alegria, nem todos os dias são de sorrisos.
A vida nem sempre é cor-de-rosa e tem dia que a gente fica meio deprê.
Não é do meu natural estar “mais pra lá do que pra cá“.
Mas tem dia que é exceção.
Não tem problema.
Um dia de ficar quietinha no cantinho é tudo que preciso.
Um café, talvez um chocolate para adoçar o coração.
Amanhã o Sol está aí e a menina sorridente que existe em mim estará de volta.
Mas hoje eu vou ficar aqui dentro um pouquinho.
Sozinha um pouquinho.
Quietinha um pouquinho.
Curtir esse momento só meu um pouquinho.
Eu gosto da minha companhia.
Ainda que pareça triste, não é.
A vida tem dessas.
Esses dias mais solitários fazem parte da gente e é preciso aprender a desfrutá-los.
Pois até esses dias, de um modo diferente, também têm sua beleza.

Foto autoral – Costão do Paranambuco – São Paulo/2013.

Leia também

O homem é livre para fazer o que quer, mas não para querer o que quer

Der Mensch kann zwar tun, was er will,

aber er kann nicht wollen, was er will.

Arthur Schopenhauer

Muito se fala sobre a tal da liberdade. Não há quem não a deseje. Desde crianças aprendemos a noção do que é ou não ser livre, nem que seja por querer comer um doce antes do jantar. Crescemos e continuamos a perseguindo incansavelmente, mas até onde realmente existe o livre arbítrio do querer?

Você já se apaixonou? Você já se endividou? Você já perdeu alguém? Você já ficou doente?

Não há como evitar que essas coisas aconteçam, assim como não dá para evitar os sentimentos que vem com essas situações. O que você, não só pode, como deve é escolher a melhor maneira para lidar com eles. Concorda que existem milhares de possibilidades de se sair do ponto A e chegar ao ponto B? Às vezes, o apaixonado não acha que deve ficar com a pessoa por quem se apaixonou e então ele contorna seu caminho para superar e seguir em frente, o que não muda o fato de que ele se apaixonou em algum momento.

A liberdade genuína é uma ilusão, seus sentimentos nascem de acordo com as situações em que a vida te coloca. Ou por decisões e influências de terceiros ao seu redor, ou por ocorrências naturais da própria vida mesmo. Mas essa ilusão pode ser uma ilusão doce, se assim você desejar. Lembra daquele papinho do departamento de RH sobre resiliência? É mais ou menos por aí, você aprende a se adaptar e a dançar conforme a música para contornar seu caminho e chegar onde almeja.

Somos seres racionais e a grande vantagem sobre isso é que sempre teremos a opção da escolha. Não dá para escolher não sentir, mas você sempre pode escolher o que fazer em relação ao que você sente.

Leia também

hakuna matata

E quem nunca ouviu a famosa expressão hakuna hatata apresentada pelos queridinhos Timão e Pumba?

Hakuna matata significa, literalmente, “sem problemas“, no idioma suaíli (língua falada na África oriental). E apesar do nosso amiguinho Timão ser um tanto radical em suas explicações, eu, particularmente, acho lindo o significado da expressão quando aplicado corretamente. Inclusive acho que deveríamos aderir como uma filosofia de vida mesmo.

Você precisa aprender com seus problemas e seguir em frente. Às vezes, simplesmente empacamos em certas situações, nos prendemos a coisas bobas que nos impedem de evoluir ou, até mesmo, de ser feliz, e a troco de que? Quanto mais cedo aprendermos a relaxar e esquecer um pouco os problemas, dar um tempo mesmo para sua cabeça esfriar, acredito que melhor viveremos.

Não é fugir dos problemas, é focar no que vale a pena e não encher sua cabeça com o que não te acrescenta. Saber a hora de virar a página é fundamental. E, lógico, nos dar as pausas que precisarmos ao longo do percurso. Afinal, merecemos, não é mesmo?

Não leve tudo tão a sério, saiba a hora de respirar e mais hakuna matata na sua vida! 🙂

Leia também

Ler é magia

Outro dia escutei que o brasileiro não tem o hábito da leitura, não sei se é verdade porque nunca analisei estatisticamente falando. Mas não gostei de ouvir isso. Aqui em casa a leitura sempre foi muito intensa. Minha mãe só não tem uma biblioteca porque não conseguiu fazer uma. Por falta de espaço mesmo, pois livros tem até para fazer duas rs.

Graças a ela eu e minha irmã desde muito pequeninas ganhamos esse hábito de ler. Sempre gostamos! Minhas tias também ajudaram bastante com os incentivos. Até meu pai, que não é muito fã de livros em si, está sempre lendo um jornal ou matérias sobre aeronáutica (ele adora, se brincar sabe mais de avião que os pilotos rs).

Da parte dos meus amigos, eu não diria que a maioria tem o hábito, mas pelo menos metade gosta. Então acho que por tudo isso fica difícil para mim aceitar que os brasileiros não têm o hábito da leitura, no meu círculo de brasileiros a realidade é outra. E eu acho muito triste pensar que não é assim para todo mundo.

Quando eu era criança, tinha a feira do livro na minha escola e eu era fissurada naquilo. Era um evento rs. Minha mãe, se brincar, ficava mais empolgada que a gente.

A minha primeira coleção foi das Witch, eu era apaixonada por elas na infância ♡

Ontem tivemos que ir ao shopping buscar os óculos da minha mãe e tinha um espaço com estandes de livros infantis. Nossa, foi o momento nostalgia do dia, porque ficou muito parecido com a nossa antiga feira do livro. Foi muito legal reviver aquilo por alguns momentos.

Mas para minha surpresa, logo em seguida passamos em frente de onde costumava ser a livraria Saraiva e ela estava fechada. Há um tempo atrás também havia sido fechada a livraria Cultura. Não sei se está acontecendo em muitos lugares ou foi coincidência de ter sido justo as duas próximas a mim. Mas fiquei preocupada, será que realmente estamos jogando fora nosso hábito de leitura?

Não sei se existe alguma explicação para esses fechamentos, principalmente, devido aos atuais acontecimentos. Confesso que nem cheguei a pesquisar nada. Vim direto desabafar por aqui depois do ocorrido, porque fiquei chateada. A leitura é tão importante, além de todos os benefícios culturais, de aprendizado, de conhecimento, de abrir nossas mentes, é também, na minha opinião, uma maneira de deixar nosso mundo mais mágico e mais feliz.

Espero que consigamos reverter esse processo e promover a leitura aos nossos próximos. Daqui vou tentar incentivar quem eu puder, para que não percamos esse lado colorido da vida. Espero que vocês, de onde quer que estejam, façam o mesmo. Afinal, seria muito triste perder essa cultura e abraçar o estereótipo de que brasileiros não têm o hábito da leitura :/

Fotos autorais – Um pedacinho da nossa coleção aqui em casa.

Leia também

Sobre conquistar o que já foi conquistado

Essa semana que passou foi uma semana um tanto complicada, não foi? Ou será que fui eu que me deixei levar pelas loucuras que têm acontecido?

Não sei, mas me pego divagando às vezes e saio atrás de conversas que me tragam de volta para o chão e para a sanidade. Sei que não falta gente boa no mundo, mas tem dias que precisamos delas mais de perto.

Eu não acho que vivo em uma bolha, mas vai ver que vivo. Pois ainda me choco quando vejo certas notícias. Estamos em pleno 2020 e o ser humano continua repetindo os mesmos erros absurdos que contradizem os mais básicos direitos humanos. Como isso acontece? O “excesso” de realidade jogado nas nossas caras todos os dias deveriam nos fazer melhores, não piores, certo? Será que é a falta de esperança que levam essas pessoas a continuarem a seguir por esses caminhos? Será que é algum tipo de problema mesmo?

Eu sinceramente não entendo. Tantos livros e aulas de história, tanta tecnologia e informação. Como podemos não estar aprendendo? Como podemos não evoluir? Como podemos continuar repetindo incansavelmente os mesmos erros?

Outro dia, assistindo a série Anne with an E (que aliás, recomendo, é linda!), fiquei tão feliz com o pensamento daquela garota, tão jovem e tão a frente de seu tempo não aceitando as limitações e as podas feitas pela sociedade da época e indo atrás de seus direitos, os conquistando aos poucos. Fazendo pequenas diferenças em seu universo e a sensação de progresso enchendo nossos corações.

Mas aí eu parei para pensar, a série se passa no final da década de 1890. Hoje, em 2020, temos que gritar pelos mesmos motivos que aquela garotinha. Não estou dizendo que não conquistamos nada de lá para cá. Conquistamos muito!!! Mas parece que temos que ficar repetindo todo dia, porque sempre tem alguém que esquece e vêm cheios de ideais totalmente retrógrados. E se deixarmos, nos levam para baixo de novo, nos fazem voltar à estaca zero.

Não nos deixaremos levar nunca e continuaremos gritando até o fim, pois o bem, o amor, o certo (ou como você preferir chamar), sempre valerá o esforço. Eu só vim aqui desabafar, porque eu preciso confessar que, às vezes, é cansativo, sabe? Às vezes, só por um dia ou dois, eu queria que as pessoas lembrassem sozinhas e nós não precisássemos gritar novamente. Eu queria ir para o próximo passo, sem ter que ficar repetindo o anterior. Ir para frente somente. Para mim é tão óbvio, é tão fácil! Por que será que tem tanta gente tentando dificultar nossos caminhos, não é? Eu fico tão feliz quando posso facilitar a vida de alguém de alguma maneira… Será que sou muito sonhadora?

Eu espero que você esteja junto comigo nessa luta e te desejo muita paz no coração sempre, mas principalmente para esses dias mais longos e mais tristes que o normal. De qualquer maneira, já dizia Renato Russo, “espera que o sol já vem” e então, com ele, nossa energia renovada para começar tudo de novo!

Leia também