Sobre conquistar o que já foi conquistado

Essa semana que passou foi uma semana um tanto complicada, não foi? Ou será que fui eu que me deixei levar pelas loucuras que têm acontecido?

Não sei, mas me pego divagando às vezes e saio atrás de conversas que me tragam de volta para o chão e para a sanidade. Sei que não falta gente boa no mundo, mas tem dias que precisamos delas mais de perto.

Eu não acho que vivo em uma bolha, mas vai ver que vivo. Pois ainda me choco quando vejo certas notícias. Estamos em pleno 2020 e o ser humano continua repetindo os mesmos erros absurdos que contradizem os mais básicos direitos humanos. Como isso acontece? O “excesso” de realidade jogado nas nossas caras todos os dias deveriam nos fazer melhores, não piores, certo? Será que é a falta de esperança que levam essas pessoas a continuarem a seguir por esses caminhos? Será que é algum tipo de problema mesmo?

Eu sinceramente não entendo. Tantos livros e aulas de história, tanta tecnologia e informação. Como podemos não estar aprendendo? Como podemos não evoluir? Como podemos continuar repetindo incansavelmente os mesmos erros?

Outro dia, assistindo a série Anne with an E (que aliás, recomendo, é linda!), fiquei tão feliz com o pensamento daquela garota, tão jovem e tão a frente de seu tempo não aceitando as limitações e as podas feitas pela sociedade da época e indo atrás de seus direitos, os conquistando aos poucos. Fazendo pequenas diferenças em seu universo e a sensação de progresso enchendo nossos corações.

Mas aí eu parei para pensar, a série se passa no final da década de 1890. Hoje, em 2020, temos que gritar pelos mesmos motivos que aquela garotinha. Não estou dizendo que não conquistamos nada de lá para cá. Conquistamos muito!!! Mas parece que temos que ficar repetindo todo dia, porque sempre tem alguém que esquece e vêm cheios de ideais totalmente retrógrados. E se deixarmos, nos levam para baixo de novo, nos fazem voltar à estaca zero.

Não nos deixaremos levar nunca e continuaremos gritando até o fim, pois o bem, o amor, o certo (ou como você preferir chamar), sempre valerá o esforço. Eu só vim aqui desabafar, porque eu preciso confessar que, às vezes, é cansativo, sabe? Às vezes, só por um dia ou dois, eu queria que as pessoas lembrassem sozinhas e nós não precisássemos gritar novamente. Eu queria ir para o próximo passo, sem ter que ficar repetindo o anterior. Ir para frente somente. Para mim é tão óbvio, é tão fácil! Por que será que tem tanta gente tentando dificultar nossos caminhos, não é? Eu fico tão feliz quando posso facilitar a vida de alguém de alguma maneira… Será que sou muito sonhadora?

Eu espero que você esteja junto comigo nessa luta e te desejo muita paz no coração sempre, mas principalmente para esses dias mais longos e mais tristes que o normal. De qualquer maneira, já dizia Renato Russo, “espera que o sol já vem” e então, com ele, nossa energia renovada para começar tudo de novo!

Leia também

Se você tiver sorte, aprenderá que sempre mediu tudo errado

Há poucos dias terminei de ler a autobiografia da Michelle Obama e achei sensacional. Recomendo muito a leitura para todos e, em especial, para as mulheres. Acho que nos faz olhar de uma perspectiva diferente para muitos problemas e situações delicadas que nos tocam nas feridas.

Eu poderia fazer um livro sobre os pontos da história que me marcaram. Hoje escolhi falar sobre nossas percepções de vida e importâncias, já falei aqui no Blog sobre como nossos sonhos e desejos mudam de proporção conforme o tempo passa e a vida nos impõe situações inesperadas.

E em um momento da história, Michelle fala que “as crianças aprendem a medir muito antes de entenderem o tamanho ou o valor de qualquer coisa. No fim das contas, se você tiver sorte, aprenderá que sempre mediu tudo errado“. E eu gostei muito disso, pois é exatamente assim que enxergo a vida. Quando crianças temos noções muito abstratas do que poderia ser uma vida melhor. Às vezes um quintal maior ou um cachorro já é a pura definição de felicidade. Conforme vamos amadurecendo vemos (ou às vezes nem percebemos, dada a sutileza das mudanças) nossos sonhos e expectativas mudarem. Diria que eles crescem junto com a gente.

No decorrer dos anos entendemos e conhecemos muita coisa nova e reavaliamos importâncias em nossas vidas. O que realmente importa para você? Parece óbvio, mas não é. Na verdade é muito difícil responder a essa questão. O ideal de plenitude envolve muitos aspectos estarem em harmonia em conjunto e a gente bem sabe que a vida não é um mar de rosas e que tem muita coisa que não depende só da sua boa vontade.

Eu diria que aprendemos a medir certo quando enxergamos que alcançar a plenitude não é fazer malabarismo para conseguir essa harmonia perfeita. É justamente entender que você nem sempre vai estar bem, que não dá para fazer tudo 100% perfeito, nem fazer tudo que você quer ao mesmo tempo.

Saber medir certo é saber medir individualmente cada conquista de acordo com as realidades da sua vida. É saber que comparar sua vida com a do outro não vai te levar a lugar algum, pois cada um tem sua trajetória e o seu tempo. É aprender a respeitar esse tempo.

É saber que às vezes você vai falhar e não entrar em desespero por isso. É aprender a lidar com suas frustrações. É chorar, quando for necessário, mas lembrar de parar depois de lavar sua alma, pois a vida é linda demais para desperdiçar nosso precioso tempo. É aprender com seus erros e tombos e viver em paz, porque você sabe que amanhã o sol nascerá outra vez trazendo novas oportunidades de sucesso para você.

É entender que não adianta se desesperar porque você não vai conseguir acabar com a fome do mundo, mas saber que você pode fazer a diferença na vida de alguém. É fazer o bem para você e para o próximo e usar suas condições e seu poder de alcance (independente de qual seja o tamanho dele) para fazer a mudança que te cabe fazer.

Plenitude não é acertar sempre, é estar feliz com cada escolha que você faz e se orgulhar de tudo aquilo que conquistou. Eu sei que é mais fácil falar do que fazer e sentir realmente, mas aos pouquinhos vamos melhorando e chegando cada vez mais perto.

E você, como anda medindo sua vida?

Leia também

Hoje eu acordei pensando em você

Hoje eu acordei pensando em você. Nada mudou e nem vai mudar. A gente vai continuar seguindo os caminhos que escolhemos seguir. Não estou dizendo que queria voltar, nem que queria você aqui. Eu estou feliz e sei que você também está. Quero que continue assim. Só consigo desejar coisas boas para você, mesmo sabendo que não farei mais parte delas.

Hoje eu acordei pensando em você. Já não consigo mais ver seu sorriso na minha mente como antes. Ainda lembro dele, como esquecer? Eu amava tanto seu sorriso, mas ele já não está mais tão nítido na minha memória, sabe? E eu não vou te ligar, porque não faz sentido. Nós seguimos em frente e eu não mudei de ideia, mas hoje eu acordei pensando em você.

Eu não sei porque minha mente viajou tão longe. Mas acho que a vida é assim, não importa quantas páginas você vire no livro da vida. Às vezes as lembranças te invadem e você pensa no passado. E tudo bem, isso não significa retroceder, significa que você tem memória, você tem coração e que o amor e o carinho prevalecem acima de qualquer coisa. Já não penso em você como antes, mas você não morreu em mim. Não quero que morra, afinal não faz sentido deletar o que foi bom.

Hoje eu acordei pensando em você e sorri. Amanhã provavelmente estarei pensando em outra coisa e a vida seguirá normalmente. E talvez daqui a algum tempo eu acorde pensando em você de novo, ou talvez não… Nosso cérebro nem sempre segue a lógica que a gente imagina, mas eu estou livre para sentir o que quer que ele decida. Saudade não é querer de volta, saudade é o coração lembrando do que foi bom e não tem nada de errado nisso. Permita-se sentir o que você precisa sentir e então deixe ir, não deixe que te consuma.

Leia também

Novos dias virão

A quarentena tem deixado vocês mais sensíveis? Eu sempre fui uma pessoa sensível, mas esses últimos dias estou me sentindo presa em uma tpm contínua rs. Sempre fui aquela que abraça, sabe? Não sei nem descrever como tenho sentido falta de abraçar as pessoas queridas. E quem dera esse fosse o único ponto, a verdade é que toda a maldade e ignorância que temos visto circulando por todo o mundo nos deixa com uma sensação de impotência tão grande que não sei bem como poderia ajudar…

Não tem sido fácil amigos, mas acredito que logo estaremos nos referindo sobre esse período desastroso no passado. Nos reunindo nas nossas adoradas mesas de bar, tomando um drink com os amigos (ou onde mais você goste de ir). Tenho trabalhado muito a minha paciência há algum tempo e agora mais do que nunca, mas não posso negar que estou ansiosa para que esses dias cheguem logo.

Sigo acreditando, fazendo minha parte e mandando muita energia positiva, que é o que posso fazer por aqueles que não tenho como ajudar. Muita saúde e paciência para todos nós 😘

Leia também

Não se esqueça da criança que você foi

Há um tempo atrás eu sonhei comigo. Frase estranha, eu sei, o sonho também foi estranho. Não sei bem o que significou, mas confesso que depois desse dia comecei a gostar mais de mim.

Eu sonhei que eu estava em uma subida (aleatória) e quando chegava lá em cima eu encontrava comigo mesma, mas uma versão antiga de mim. Tão antiga que estava usando o uniforme da escola que eu estudava (Mater Amabilis – ai que saudade ). Quando nos vimos ficamos confusas, porém felizes, muito felizes. Abrimos um belo sorriso e nos abraçamos. Eu sei que estou parecendo louca falando desse jeito, mas eu realmente sonhei isso e eu não consigo explicar qual foi a sensação de estar me abraçando. Eu senti muita coisa, mas a principal foi felicidade. Nossa, tinha tanta coisa que eu queria falar para a minha versão mais nova, mas a única coisa que eu consegui falar foi que eu a amava, ela me disse algumas coisas também, mas eu já não me lembro mais. Lembro que choramos e nos abraçamos de novo.

Eu acordei bem confusa e os sentimentos ainda todos embaralhados. Já faz um tempo que sonhei isso, nunca consegui esquecer a sensação. Já tive muitos sonhos loucos (sério, já sonhei que tinha sido pega por uma máfia japonesa 🤷🏼‍♀️😂), mas nunca tinha sonhado assim e nunca mais sonhei de novo. Foi muito diferente e realmente gostaria de um dia sonhar algo parecido, porque foi incrível. Talvez isso não signifique absolutamente nada rs. Eu acredito que eu estava precisando relembrar um pouco de como a Gabriela de 12/13 anos via o mundo, cheia de inocências e desejos e sonhar foi o jeito do meu subconsciente resolver o problema. Sempre quando me encontro em situações difíceis eu me lembro desse sonho e tomo minhas atitudes pensando que aquela Gabriela sentiria orgulho de quem ela se tornou quando cresceu.

Eu sei que é meio doido, mas quis compartilhar esse acontecimento pois acho que às vezes a gente esquece que a pessoa mais importante da nossa vida é a gente mesmo. É fácil esquecer disso porque a gente não esbarra consigo mesmo por aí. Eu tive a sorte de ter conseguido isso em sonho, mas acho que não é tão comum, então fica o lembrete: cuide-se sempre, coloque-se em primeiro lugar na sua vida, o maior carinho que você pode receber é aquele que você julga merecer, portanto se valorize, não se esqueça da criança que você foi e batalhe o máximo para ser o motivo de orgulho dela, mude de ideia quantas vezes for necessário, mas nunca perca sua essência

O que estou fazendo – Dezembro 2016 | vida organizada

P.S. Se alguém aí já sonhou algo parecido, comenta que vou gostar de saber 😉

Foto autoral – Eu e minha irmã rumo ao primeiro dia de aula no Colégio Mater Amabilis.

Leia também